top of page

Seminário vai debater custos na logística de políticas públicas desenvolvidas na Amazônia


Professora Goreth é a autora do requerimento para a realização do seminário

A Comissão de Integração Nacional e Desenvolvimento Regional da Câmara dos Deputados realiza seminário nesta terça-feira (7) para debater o chamado "fator amazônico", termo utilizado para se referir aos custos adicionais de logística e transporte que empresas e governos precisam arcar para realizar ações na região amazônica.


Confira a programação do evento, marcado para as 9h30 no plenário 15.


A autora do requerimento para a realização do seminário é a deputada Professora Goreth (PDT-AP). Ela considera o seminário uma ferramenta para debater a equidade dos investimentos públicos, ou seja, uma distribuição "justa e equitativa" de recursos segundo as características das diferentes regiões do Brasil.


Necessidades "Os investimentos devem ser distribuídos de forma proporcional às necessidades e potencialidades de cada região ou setor, levando em consideração as características geográficas, socioeconômicas e culturais de cada localidade, o que ainda não é uma realidade no Brasil", disse a deputada.


"A equidade de investimentos é importante para garantir que todas as regiões e setores tenham condições igualitárias de competir e se desenvolver, contribuindo para a redução das disparidades econômicas e sociais e para a promoção de um desenvolvimento mais sustentável e integrado", acrescentou.


Alimentação escolar Como exemplo das peculiaridades da Amazônia, a deputada cita a alimentação escolar oferecida nas regiões ribeirinhas, que chega de balsa, barco ou pequenos aviões. "A distribuição da merenda escolar envolve planejamento de logística e movimenta um número significativo de pessoas. Ademais, alguns problemas importantes dificultam essa dinâmica, como os portos de difícil acesso e os lugares de vazantes com a terra em processo de secagem".


Nessas localidades, lembra a deputadas, é comum que a própria natureza determine o calendário escolar, obrigando muitas escolas ribeirinhas a adaptarem o horário das aulas ao momento da maré cheia. "Outros alunos passam mais de duas horas diárias navegando os rios amazônicos para chegar à escola e quando chegam ao destino não encontram sequer uma alimentação reforçada, por que devido o custo, na maioria das vezes, crucifica-se a qualidade", destacou.


Da Redação - RB

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Comentários


bottom of page