top of page

Saiba o que é a Cúpula da Amazônia, que começa esta semana em Belém

Encontro de líderes de Estado discutirá desmatamento zero e desenvolvimento sustentável no bioma


No cenário de crescente preocupação com o desmatamento e as mudanças climáticas, a Cúpula da Amazônia emerge como um evento de extrema importância para discutir a preservação desse importante bioma. Representantes de 15 países se reunirão em Belém, no Pará, nos dias 8 e 9 de agosto, para debater questões cruciais relacionadas ao combate ao desmatamento ilegal, o enfrentamento do crime organizado e o financiamento externo para promover o desenvolvimento sustentável na região.


A Amazônia é uma das áreas mais ricas em biodiversidade do mundo, além de desempenhar um papel fundamental na regulação climática global. No entanto, nos últimos anos, tem enfrentado uma crescente pressão devido ao desmatamento, atividades ilegais e ações que ameaçam seu ecossistema.


A preparação do encontro ficou a cargo da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), uma organização intergovernamental composta por Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela. Esses países, unidos pelo Tratado de Cooperação Amazônica desde 1978, formam o único bloco socioambiental da América Latina e compartilham o desafio de proteger a Amazônia para as gerações futuras.


Além dos países amazônicos, líderes europeus também foram convidados para a Cúpula, com destaque para os presidentes da França, Alemanha e Noruega, principais doadores do Fundo Amazônia. A presença dessas autoridades destaca o interesse global na proteção do bioma, que desempenha um papel crucial na mitigação das mudanças climáticas.


O coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado federal Nito Tatto, participou dos Diálogos Amazônicos em Belém neste sábado, dia 5 de agosto. Evento que antecedeu a cúpula é um preparativo para a COP-30 - Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, que vai ser realizada em Belém, em 2025.


O coordenador destacou a importância do debate e da Cúpula da Amazônia como uma iniciativa pioneira.


"Antecedecendo a Cúpula estivemos nos Diálogos Amazônicos, onde movimentos, entidades, lideranças e parlamentares trocaram experiências. A Cúpula da Amazônia é uma iniciativa pioneira, na reunião de representantes de todos os países da Bacia Amazônica, para a construção coletiva de políticas, objetivos e posições unificadas sobre mais de 100 questões envolvendo a Amazônia", completou o deputado.


Participação do presidente



O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, (PT), também participará do evento e buscará a cooperação entre as nações presentes para encontrar soluções conjuntas para a proteção da floresta. A Cúpula é resultado de uma iniciativa proposta por Lula em um discurso feito no ano anterior, durante a COP-27 no Egito, onde enfatizou a necessidade de promover o desenvolvimento integrado da região com inclusão social e responsabilidade climática.


Entre os temas centrais a serem discutidos durante a Cúpula, o desmatamento será uma questão prioritária. Os dados do primeiro semestre do governo Lula apontam uma aparente redução na velocidade de derrubada da floresta, mas é preciso adotar medidas mais eficazes para conter esse processo de degradação.


Outro tópico de relevância é a possível menção no documento final sobre a exploração de petróleo e combustíveis fósseis na região. Enquanto alguns defendem essa abordagem como uma alternativa econômica, outros levantam preocupações sobre os impactos ambientais e sociais que tal atividade poderia causar.


Além dos líderes de Estado, organizações da sociedade civil têm atuado com propostas para influenciar as discussões da Cúpula. Inúmeras cartas e propostas têm sido enviadas ao governo e aos membros da OTCA, buscando evitar o chamado ponto de não retorno da Amazônia, em que a floresta se transformaria em savana, perdendo sua rica biodiversidade e seus serviços ecossistêmicos.


A bioeconomia também figura nas propostas da sociedade civil, com destaque para a promoção de uma agricultura de baixo carbono na região e a regulação do mercado de carbono, buscando incentivar práticas sustentáveis.


A Cúpula da Amazônia se torna, portanto, um momento crucial para que líderes mundiais, em parceria com a sociedade civil, discutam e implementem ações concretas para a preservação desse importante patrimônio natural. O futuro da Amazônia depende das decisões tomadas neste encontro histórico, e a responsabilidade é compartilhada por todos os países presentes, que precisam agir em prol da proteção da maior floresta tropical do mundo e do bem-estar das gerações futuras.


Reportagem - Larissa Nunes



bottom of page