top of page

Colômbia quer plano para acabar com exploração de petróleo na Amazônia



Ministra do Meio Ambiente da Colômbia disse ser paradoxal investir em combustível fóssil; Marina diz que nada será imposto aos países...


A ministra do Meio Ambiente da Colômbia, Susana Muhamad, disse neste domingo (6.ago.2023) que seu país quer um plano conjunto e progressivo para acabar com a extração de petróleo na Amazônia. Ela conversou com jornalistas durante o “Diálogos Amazônicos”, evento que antecede a Cúpula da Amazônia, em Belém (PA). Durante o mesmo evento, mas no sábado (5.ago), a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, disse que o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) avaliará “com isenção” o pedido da Petrobras para instalar sonda de perfuração de teste na costa do Amapá para checar se há petróleo na região.


“Seria lógico e como uma mensagem muito poderosa ao norte que fechássemos um plano progressivo, porque todos os nossos países têm petróleo na Amazônia… Mas apenas iniciamos a discussão e esperamos que, tomara, isso se mantenha na declaração”, afirmou. A ministra brasileira, entretanto, disse que as decisões de países individualmente não podem ser impostos nas discussões bilaterais.


“Obviamente que o presidente Lula não vai querer impor que os outros presidentes também digam que é desmatamento zero. É um processo de convencimento. Da mesma forma que os outros que têm outras propostas levantam suas propostas e buscam o convencimento. O multilateralismo é o consenso progressivo”, disse. A ministra colombiana declarou ser difícil que haja alguma decisão sobre o tema na declaração conjunta que será adotada pelos 8 países amazônicos no fim da cúpula, mas, para ela, é importante que o assunto esteja na mesa de negociação.


A ministra colombiana declarou ser difícil que haja alguma decisão sobre o tema na declaração conjunta que será adotada pelos 8 países amazônicos no fim da cúpula, mas, para ela, é importante que o assunto esteja na mesa de negociação.


“Não poderia dizer no que vai terminar, porque a negociação tem que ser ratificada pelos presidentes na 2ª feira. Mas o importante é que o tema seja posto sobre a mesa e que isso seja um ponto de discussão, não porque um presidente ou outro disse isso, mas porque ficou claríssimo tanto em Letícia como aqui e como nos diálogos internos que, sim, é um tema de preocupação”, disse.


Durante a entrevista, Muhamad afirmou entender que o processo de transição energética é complexo e varia de país para país. Ela declarou, entretanto, que a transição para energias mais limpas só pode acontecer em um ambiente de segurança energética para evitar um efeito bumerangue com a sociedade. “É um pouco paradoxal seguir pensando sobre petróleo frente a crise que temos, mas porque esses megaprojetos geram abertura de caminhos, fragmentação ecológicas, perda de biodiversidade e sobretudo conflito com as comunidades”, declarou.


A ambição colombiana seria um plano conjunto para que não se abrissem mais blocos de exploração de petróleo na Amazônia, segundo a ministra. A Petrobras, entretanto, quer pesquisar se há possibilidade de extrair petróleo na Margem Equatorial. “A reflexão que queremos colocar é como podemos cooperar e trabalhar conjuntamente para conseguirmos um plano conjunto de não abrir mais blocos de petróleo na Amazônia e pela necessidade de manter a integralidade ecológica”, disse.


ENTENDA

A Margem Equatorial é uma região em alto-mar que se estende da Guiana ao Estado do Rio Grande do Norte, no Brasil. A porção brasileira é formada por 5 bacias sedimentares –um tipo de formação rochosa que permitiu o acúmulo de sedimentos ao longo do tempo. As bacias são:


  • Foz do Amazonas, localizada nos Estados do Amapá e do Pará;


  • Pará-Maranhão, localizada no Pará e no Maranhão;


  • Barreirinhas, localizada no Maranhão;


  • Ceará, localizada no Piauí e Ceará;


  • Potiguar, localizada no Rio Grande do Norte.

A Petrobras tenta perfurar na bacia da Foz do Amazonas, que, embora tenha esse nome, não é a foz do rio Amazonas. A área onde seria perfurado o poço de petróleo se encontra a 500 km de distância da foz.


Negada pelo Ibama, a licença ambiental se refere a um teste pré-operacional para analisar a capacidade de resposta da Petrobras a um eventual vazamento. O pedido é para a perfuração de um poço em um bloco de exploração a cerca de 170 km da costa. O teste também permitiria à Petrobras analisar o potencial das reservas de petróleo na região. A Margem Equatorial é uma região pouco explorada, mas vista com expectativa pelo setor. Isso porque os países vizinhos, Guiana e Suriname, acumulam descobertas de petróleo. Na Guiana, a ExxonMobil tem mais de 25 descobertas anunciadas. No Brasil, só 32 poço foram perfurados a mais de 300 metros do nível do mar, onde há maiores chances de descoberta. A exploração na bacia da Foz do Amazonas é criticada por ambientalistas porque pode ter impactos sobre o ecossistema da região. Afirmam que os dados da Petrobras estão defasados, não sendo possível prever o comportamento das marés em caso de eventual vazamento de petróleo e seus impactos.









bottom of page