top of page

'Era da fervura global': gráficos mostram 'oceanos com febre', recordes de calor e gelo derretendo

g1 recolheu dados e ouviu cientistas que estudam a atmosfera, os oceanos e o clima da Terra para explicar episódios recentes que confirmam que vivemos um estado de emergência climática.


Em uma sequência com seis gráficos e mapas, o g1 mostra abaixo (e resume no VÍDEO acima) um retrato do atual momento da Crise do Clima. As linhas ou cores das ilustrações gritam que vivemos hoje a emergência climática, uma "era de fervura global", como definiu secretário-geral da ONU, António Guterres.

Nunca antes o mundo viveu uma situação com:

  • tanto gás carbônico na acumulado na atmosfera (clique para ir direto para o gráfico)

  • uma sequência tão longa de recordes diários de calor (gráfico)

  • oceanos tão febris, com recordes sucessivos de temperatura na água (gráfico)

  • diminuição das extensões da camada de gelo da Antártica e do Ártico (gráfico)

  • e para finalizar, um El Niño atípico, que deixa os mapas dos oceanos ainda mais vermelhos (gráfico)


Fonte: Scripps CO2 Program/Observatório Mauna Loa/Universidade da Califórnia de San Diego

Por isso é necessário reduzir as emissões desses gases. Acontece que, como explica o climatologista Carlos Nobre, um dos principais especialistas em mudanças climáticas do mundo, a capacidade de remoção do gás carbônico da atmosfera pelas florestas e oceanos está diminuindo cada vez mais.

“A concentração de gases aumentou notavelmente nas últimas décadas (veja gráfico acima), enquanto a taxa de emissões anuais diminuiu nos últimos dez anos. Apesar disso, o aumento da concentração não diminuiu. Isso já é uma indicação clara que a capacidade de remoção do gás carbônico pelas florestas e pelos oceanos já começa dar sinais de diminuição", afirma Nobre.


E se a capacidade de remoção do gás carbônico da atmosfera pelas florestas e oceanos continuar diminuindo, será necessário reduzir as emissões de gases ainda mais rapidamente.


Dia e mês mais quentes já registrados

Com todo esse aumento das emissões, não tem outra. Desde o início de julho, temos presenciado a quebra constante dos registros históricos de temperatura: uma sequência de novos recordes para os dias mais quentes já registrados.



No decorrer da primeira semana do mês, em particular, testemunhamos três marcos significativos serem superados. No dia 3 de julho, a média global de temperatura alcançou 17,01°C, ultrapassando assim a marca estabelecida em 2016, que era de 16,92°C - valor que também foi alcançado em 2022.

Contudo, esse recorde durou pouco, pois já no dia subsequente, 4 de julho, a temperatura média global atingiu um novo pico, registrando 17,18°C. A sequência de superações de recordes prosseguiu no dia 6 de julho, quando a temperatura média alcançou 17,23°C.


No Brasil, mesmo em grande parte do país durante o inverno, a situação também não foi diferente. Tomando como base a média histórica (1991 - 2020) das temperaturas médias observadas nas estações meteorológicas do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) em todo o país, no mês de julho, a temperatura média seria 21,93°C.


Contudo, em 2023, esse valor foi de 22,97°C, ou seja, um desvio de 1,04°C acima da média histórica, colocando o recente mês de julho como o mais quente já registrado no Brasil desde 1961.

Recordes também no mar

A temperatura média da superfície do oceano também tem batido recordes desde março deste ano. Em 30 de julho, a temperatura da superfície dos oceanos atingiu 20,96°C, superando o recorde anterior de 20,95°C estabelecido em março de 2016, também de acordo com o observatório do clima da União Europeia.



Essa tendência foi confirmada pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA), que usa uma metodologia diferente, mas que também registrou um aumento nas temperaturas médias da superfície do mar nos últimos meses (veja gráfico acima). Vale ressaltar que essas análises não incluem as regiões polares.


Adriana Lippi, mestranda interdisciplinar em ciência e tecnologia do mar pela Unifesp e integrante da Liga das Mulheres pelo Oceano, explica que as altas temperaturas no oceano são preocupantes, mas ainda estão dentro da variação prevista pelos modelos climáticos.


“Este ano, entramos na fase de El Niño, que está correlacionado com maiores temperaturas globais, incluindo no oceano. O oceano é o grande armazenador de calor em nosso planeta, armazenando cerca de 90% de todo o calor da Terra”, explica.


Apesar disso, ela também diz que o aumento do calor causado pelas atividades antropogênicas (causadas pelo homem) é o principal fator-motor para o aumento da temperatura dos mares. Com mais gases do efeito estufa na atmosfera como vimos na primeira parte desta reportagem, mais calor no planeta, e boa parte desse calor ainda vai para o oceano.

Alerta na Antártica e no Ártico

Um outro fator preocupante do clima global atualmente é que o gelo marinho na Antártica está em declínio recorde, com o nível mais baixo já registrado em fevereiro de 2023, quando a extensão do gelo do mar antártico atingiu o nível mais baixo já registrado, ficando 34% abaixo do valor médio de referência.


El Niño mais forte e 'verão' fora de época na América do Sul

No início de julho, novos mapas climáticos divulgados pela NOAA também revelaram uma preocupante reviravolta: o El Niño de 2023, iniciado em junho, está significativamente diferente dos fenômenos observados recentemente.




0 1 Fonte: NOAA/Climate.gov/Coral Reef Watch

Como é possível ver nas imagens, de forma simultânea ao desenvolvimento do El Niño, estamos enfrentando um forte aquecimento dos oceanos em outras regiões do mundo além da porção equatorial do Pacífico, principalmente em grandes trechos que vão do Atlântico Norte ao Mediterrâneo.


Paralelamente a isso, na América do Sul, uma onda de calor sem precedentes atingiu cidades na Argentina, Chile e Paraguai no início desse mês, levantando preocupações sobre os impactos das mudanças climáticas. Buenos Aires, por exemplo, quebrou um recorde de temperatura diária de 81 anos para o período, atingindo 30°C em pleno o inverno.


Já em Vicuña, no Chile, a situação foi pior ainda, com os termômetros alcançando 37°C - a temperatura mais alta registrada durante o inverno na região em mais de sete décadas.

Dois fatores estão influenciando significativamente o cenário climático atual, diz o meteorologista Fábio Luengo, da Climatempo. O primeiro deles é justamente o El Niño, que está aquecendo as águas do Oceano Pacífico. Isso está causando ondas de calor e secas na região.


Além disso, nos últimos dias, não houve influxo de massas de ar polar na região. Isso está também relacionado ao El Niño, mas há em jogo um outro fenômeno chamado bloqueio atmosférico, onde frentes frias não conseguem chegar com força, impedindo chuva e ar frio na região.



Em resumo, sem o ar frio, o ar esquenta e seca, o que contribui para o aumento das temperaturas.


Já Nobre acrescente dois fatores nessa equação: o aquecimento global e a mudança do uso da terra. O El Niño está aquecendo as águas do Pacífico, o que, por sua vez, está causando o derretimento da neve nos Andes. O aquecimento global também está fazendo com que as temperaturas subam, e a mudança do uso da terra está removendo árvores e outras plantas que ajudam a regular o clima.


“É uma surpresa ainda em busca de boas explicações”, diz.

bottom of page