top of page

Colapso climático já começou e exige medidas urgentes, dizem cientistas na Câmara

Atual elevada concentração de gases do efeito estufa foi comparada a bombas atômicas

 

Cientistas apontaram quadro de “colapso climático” no planeta e cobraram medidas concretas no Brasil, durante audiência pública nesta terça-feira (5) da Comissão Especial de Prevenção e Auxílio a Desastres Naturais da Câmara dos Deputados. Diante do aquecimento global em velocidade acima da esperada e do pouco avanço em acordos internacionais, eles mostraram a urgência de descarbonização, reflorestamento e monitoramento dos biomas, a fim de enfrentar a sucessão de eventos extremos. Doutor em ciências atmosféricas, o físico Alexandre Araújo da Costa comparou a atual elevada concentração de gases do efeito estufa a bombas atômicas.


Vinicius Loures / Câmara dos Deputados

Reunião da Comissão Especial Prevenção e Auxílio a Desastres e Calamidades Naturais


“Esses gases se acumulam ao ponto de hoje termos 50% a mais de CO2, duas vezes e meia mais de metano e acima de 30% a mais de óxido nitroso do que tínhamos, por exemplo, em 1800. Esse desequilíbrio climático é tão grande que equivale a pegar a energia de 21 bombas de Hiroshima por segundo, alterando o ciclo hidrológico, aumentando as temperaturas globais, multiplicando eventos extremos, dilatando os oceanos e derretendo geleiras”, explicou.


Costa também é professor da Universidade Federal do Ceará e integrou a equipe de cientistas que elaborou o primeiro relatório brasileiro de mudanças climáticas. Segundo ele, a manutenção do atual cenário de emissões de gases poluentes leva a um “futuro catastrófico”. A opinião é compartilhada com a coordenadora do Laboratório de Gases do Efeito Estufa do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (LaGEE/INPE), Luciana Gatti. Ela apresentou mapas de “anomalias” de temperatura para provar que o recente aquecimento da superfície dos oceanos vai muito além do fenômeno El Niño, que tem ação mais específica no Pacífico equatorial.


“Estamos presenciando aumento de temperatura nos oceanos como a gente nunca viu. E, neste ano, está pior ainda. Dá para dizer que o colapso climático ainda não começou? Desculpa. Não dá. Pelo que estamos vendo, parece que está incontrolável e escapando da mão”, afirmou.

Gatti é química e coautora de um dos artigos mais lidos na revista científica “Nature” sobre o impacto do desmatamento na Amazônia Legal, impedindo a floresta de absorver CO2. A situação é mais crítica no leste da região, em áreas de Pará e Mato Grosso.


“Se a gente pega o aumento da temperatura em 40 anos e o compara com os últimos 20 anos, o aumento é de 50%. Isso é o ponto de não-retorno chegando. Deveria ser decretado estado de emergência no sudeste da Amazônia”, disse Luciana Gatti.


Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

Luciana Gatti: "Deveria ser decretado estado de emergência no sudeste da Amazônia"


UmidadeHá também impacto negativo na evapotranspiração que alimenta os chamados “rios voadores” e espalha a umidade amazônica para os outros biomas. Entre as sugestões urgentes, Luciana Gatti pede redução do desmatamento e da produção de combustíveis fósseis (petróleo e natural), além do resfriamento da superfície terrestre por meio de reflorestamento com vegetação nativa. Relator da comissão especial, o deputado Gilson Daniel (Podemos-ES) prometeu avaliar a sugestão de apoio à rede de monitoramento dos biomas por meio de emendas parlamentares ao orçamento da União.


Vítimas das mudanças climáticasOrganizador da audiência pública, o deputado Tarcísio Motta (Psol-RJ) defendeu a aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC 44/23) que reserva 5% dessas emendas para emergências climáticas.


“Os desastres não são naturais. São socioambientais e quem morrem são os mais pobres, são os negros e negras. Portanto, é preparar as cidades e adaptá-las para o que vai acontecer cada vez mais”, disse o deputado.


O secretário-executivo do Observatório do Clima, Márcio Astrini, manifestou a “ansiedade” por medidas concretas no mundo inteiro ao lembrar a projeção da Organização Mundial de Saúde de 250 mil mortos por ano em consequência do aquecimento global entre 2030 e 2050. Astrini lembrou que os últimos oito anos foram os mais quentes da história, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMN). Recentemente, houve recordes de degelo na Antártida e na Groenlândia, além de registro de 38°C na Sibéria.


Segundo a Confederação Nacional dos Municípios, 93% das cidades brasileiras enfrentaram desastre natural entre 2013 e 2022. O professor do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília, Saulo Rodrigues, defendeu ações conjuntas de adaptação e mitigação no Plano Clima, em vigor desde 2009.  Gustavo Luedemann, da Rede Clima e do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA), elogiou o AdaptaClima, plataforma que orienta os municípios sobre a ocorrência de eventos extremos, mas pediu apoio para lidarem com mais efetividade diante das vulnerabilidades da população, sobretudo em relação à saúde e moradias de risco.


Reportagem - José Carlos OliveiraEdição - Ana Chalub

Fonte: Agência Câmara de Notícias

댓글


bottom of page