top of page

Ao citar RS, secretária de Mudança do Clima apela por alterações estruturais


Ana Toni: todos os países, e não apenas o Brasil, devem fazer a sua lição de casa Fonte: Agência Senado

Em debate sobre o Plano Nacional sobre Mudança do Clima, realizado nesta quarta-feira (15) na Comissão Mista de Mudanças Climáticas (CMMC), a secretária Nacional de Mudança do Clima do Ministério do Meio Ambiente, Ana Toni, salientou aos parlamentares presentes à audiência que o governo federal está empenhado em encontrar meios de neutralizar até 2050 as emissões de gases do efeito estufa no país. Ela também cobrou respeito aos dados científicos sobre o tema, lembrando que o monitoramento de eventos climáticos já previa a ocorrência de situações extremas como as enchentes no Rio Grande do Sul.


— [Ouvindo a ciência] teríamos capacidade de não só mitigar o que é necessário, mas também fazer muitas das mudanças estruturais de adaptação e de prevenção que temos [que fazer] — disse a secretária.


Citando a coerência dos dados científicos apontando para uma “espiral de aquecimento”, ela atribuiu a crise do clima às consequências de escolhas de modelos de desenvolvimento de décadas passadas, principalmente o uso de fontes de energia geradoras de gases do efeito estufa. Ana Toni disse que os efeitos dessa situação “vão estar conosco por pelo menos mais 10, 20, 30, 40 anos”, e também citou o Rio Grande do Sul para citar a responsabilidade conjunta de todos os países nessa crise.


— No Rio Grande do Sul, quando acontece uma tragédia dessas, quem se importa somos nós, brasileiros. Por isso, é de nosso interesse assegurar não só que façamos nossa lição de casa, mas que todos os países façam sua lição de casa.


Ana Toni alertou que todas as regiões estão vulneráveis a desastres climáticos e, apresentando dados estatísticos, mostrou que a maioria dos municípios apresenta baixa capacidade de adaptação às mudanças atmosféricas. No entanto, conforme ressaltou, o Rio Grande do Sul está numa região de capacidade razoável neste aspecto, mas também tem sofrido com a tragédia das enchentes:


— Se não lidarmos com adaptação e prevenção, a gente vai estar enxugando gelo.

Ela sublinhou que o enfrentamento às mudanças do clima é uma das prioridades do governo federal, de modo a reinserir o Brasil no protagonismo do debate climático e mostrar a responsabilidade global do país como sexto maior contribuidor de gases do efeito estufa. Para o cumprimento do plano de carbono neutro em 2050, segundo Ana Toni, cada segmento da economia terá que aumentar a neutralização de suas emissões, e cabe ao Legislativo o “trabalho hercúleo” de integrar os esforços de União, estados e municípios com os setores privado, acadêmico e da sociedade civil.


— Este é o nosso desafio pensando quais serão os setores que vão contribuir para esta diminuição — resumiu.

A audiência pública da CMMC foi presidida pela deputada Socorro Neri (PP-AC), que também é presidente do colegiado.


Fonte: Agência Senado

Commentaires


Les commentaires ont été désactivés.
bottom of page