top of page

Plínio critica Fundo Amazônia e diz que mecanismo deve passar por revisão


O senador Plínio Valério (PSDB-AM) criticou, em pronunciamento nesta quarta-feira (17), o Fundo Amazônia. Para o parlamentar, o fundo — que capta doações para investimentos em ações de prevenção e combate ao desmatamento e promoção do uso sustentável da Amazônia — ainda não contribuiu para reduzir a desigualdade e precisa passar por uma grande revisão para se tornar significativo para a preservação da floresta.

Plínio citou dados do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), gestor do fundo, que mostram que, ao longo dos anos, apenas 266 mil pessoas, sendo 59 mil indígenas, foram beneficiadas diretamente por atividades apoiadas de produção sustentável.

— Constata-se que os projetos, embora custosos, atingem muito pouca gente. Tomo como exemplo um projeto apresentado como “Fortalecimento da Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas”, que recebeu quase R$ 16 milhões e seu público-alvo se limitava a 8,8 mil pessoas.

Para o parlamentar, o dinheiro do fundo jamais chegou ao seu público-alvo, pois a maior parte do valor foi destinada a organizações não governamentais (ONGs). Segundo Plínio, uma ONG brasileira recebeu R$ 31,6 milhões para executar apenas dois projetos em unidade de conservação.

O senador afirmou que o controle dos recursos do Fundo Amazônia "deixa muito a desejar” e que a comissão parlamentar de inquérito (CPI) destinada à investigação das ONGs que atuam na Amazônia vai mostrar que é preciso transparência. Segundo Plínio, o objetivo da CPI é demonstrar que o fundo "pode ser bom para o Brasil".


Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado

コメント


bottom of page